Carboidrato das Frutas: Como podem afetar a sua dieta

Compartilhe esse artigo!
Por  Dalcia Klimaczewski  |  Nutricionista - CRN 8 12426 Publicado em 08 de março de 2017 | Atualizado em 03 de agosto de 2018

O carboidrato das frutas é a frutose, popularmente conhecido como açúcar das frutas. A frutose é um açúcar simples, ou seja, é absorvido rapidamente pelo organismo elevando os níveis de insulina no corpo e fornecendo energia rapidamente.

O poder adoçante da frutose é bem maior que o do açúcar de mesa, dando às frutas a sua característica doce. Por esse motivo costuma-se ouvir por aí a recomendação de comer uma fruta quando você está com vontade de comer doces e guloseimas.

Quantidade de carboidrato das frutas

As frutas possuem concentrações variáveis de frutose, dependendo do tipo e da maturação da fruta.

Alguns exemplos de frutas com menor teor de carboidrato são morango, framboesa, amora, acerola, pitanga, nectarina, melão, maçã, pera e pêssego.

Enquanto as que apresentam um teor mais elevado são abacaxi, melancia, goiaba, kiwi, mamão, caqui, manga, jabuticaba e banana.

Além disso, quanto mais madura a fruta, maior será a sua quantidade de ácúcar.

Então devo evitar frutas?

As frutas não devem ser excluídas da sua alimentação, pois elas contêm outros nutrientes necessários para o funcionamento ideal do corpo e promoção da saúde, como vitaminas, minerais e fibras, além de fornecerem energia.

O consumo de frutas apenas deve ser moderado em casos de dietas específicas para perda de peso ou para pessoas diabéticas, por exemplo.

Cuidado com os sucos naturais

Os sucos naturais são ótimas opções em substituição a sucos industrializados e refrigerantes. Mas para fazê-los é usada uma quantidade de frutas maior do que você normalmente consumiria em um lanche, por exemplo.

Por isso, é necessário ter cuidado e moderação no consumo de sucos naturais, pois além da alta quantidade de carboidratos, as fibras das frutas são deixadas para trás na produção do suco. Tente também tomar suco natural sem adoçar para reduzir o valor calórico.[vc_row css=”.vc_custom_1478024067242{margin-right: 5px !important;padding-top: 15px !important;padding-right: 20px !important;padding-bottom: 25px !important;padding-left: 20px !important;background-color: #f1f5f8 !important;border-radius: 4px !important;}”][vc_column width=”1/6″ css=”.vc_custom_1467746880870{margin-right: -30px !important;}”][vc_single_image image=”13707″ img_size=”full” alignment=”center” style=”vc_box_circle_2″][/vc_column][vc_column width=”5/6″][vc_column_text]Dalcia Klimaczewski[/vc_column_text][vc_column_text]24 anos, comunicóloga e graduanda em Nutrição pela Universidade Federal do Paraná. Adepta à nutrição comportamental, acredita que a saúde e o bem-estar são consequências do equilíbrio entre o corpo e a mente.

Não se esqueça de compartilhar este post!

Dalcia Klimaczewski

Nutricionista

Formada em Nutrição pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e pós-graduanda em Comportamento e Transtornos Alimentares pelo Instituto de Pesquisa do Comportamento Alimentar (IPCAC).

Não perca mais nenhum post!

Assine nosso blog e receba novos posts diretamente em seu e-mail.