Crisina: o que é, para que serve, indicações e contraindicações

Compartilhe esse artigo!
Por  Equipe Onique  |  Publicado em 03 de maio de 2018 | Atualizado em 16 de julho de 2019

Crisina: saiba tudo sobre o flavonoide presente no própolis, que contém propriedades anti-inflamatória, antioxidante e ativadora de AMPK, PPAR-Y e BDNF, que o torna um ótimo aliado no processo de emagrecimento.

Crisina: o que é?

A crisina é um flavonoide natural, extraído do mel, própolis e de várias plantas, dentre elas a Passiflora caerulea, o maracujá do mato. A substância ganhou notoriedade após ter demonstrado ação semelhante aos inibidores da enzima aromatase, causando aumento dos níveis de testosterona e contribuindo assim para a hipertrofia muscular. Estudos recentes também avaliam a ação da substância como um agente hormonal capaz de prevenir doenças, como alguns tipos de câncer.

Para que serve

A crisina possui inúmeros benefícios e atuações no corpo humano. A principal característica do flavonoide é de inibir o processo que transforma testosterona em estrogênios, principalmente em homens acima de 40 anos, onde, geralmente, é constatado baixa significativa nos níveis de testosterona. A crisina tem o papel de bloquear uma enzima chamada aromatase, a qual atua no processo de conversão da testosterona.

Possui ainda características antioxidantes, suprimindo a formação de ácido úrico e de algumas espécies reativas de oxigênio, além de, em algumas condições, inibir a peroxidação lipídica (cascata de reações resultantes da ação dos radicais livres sobre os lipídios).

É muito utilizada para aumentar os níveis de testosterona na andropausa. Nesse período a queda da testosterona é natural, no entanto traz efeitos indesejáveis como por exemplo a ginecomastia, que é o crescimento das mamas nos homens. Com a ação da crisina, os níveis de testosterona mantêm-se regulados não causando tais efeitos.

É ainda considerada uma “ isoflavona anabólica” e por isso tem sido muito utilizada por fisiculturistas e atletas, como forma de otimizar a testosterona naturalmente produzida pelo organismo, inibindo a sua conversão em estrógenos ou estrogênios. (BATISTUZZO, 2011).

Além disso, é capaz de diminuir a inflamação aguda, como em quadros de artrite, depressão, asma e diabetes. Algumas pesquisas indicam que alguns flavonoides, incluindo a crisina, estão envolvidos na ativação das enzimas AMPK, PPAR-Y e BDNF, cuja atuação principal está na regulação de mecanismos inflamatórios que contribuem para o aparecimento da síndrome metabólica.

Atuação da crisina no aumento da testosterona

A aromatase é uma enzima que promove a conversão de andrógenos e testosterona em estrógenos e estradiol, respectivamente. Sabe-se que o crescimento de muitos tumores de mama é aprimorado pelo estrógeno, sendo assim, inicialmente, a crisina foi desenvolvida como agente quimioterápico para o câncer de mama e não para aumento da testosterona.

Descobriu-se então que a utilização de um inibidor da aromatase irá diminuir os níveis de estrógeno no corpo. Essa queda gera um mecanismo de feedback e faz com que o LH (hormônio luteinizante) estimule a produção dos estrógenos para que o nível volte ao normal. No entanto, o LH não é seletivo e, ao mesmo tempo que estimula o estrógeno que está em baixa, estimula também a testosterona.

Como temos um inibidor atuando sobre a aromatase, a testosterona mantém-se em níveis de concentração maiores do que o estrógeno, resultado que contribui para a hipertrofia devido aos benefícios da testosterona sobre a ação.

Crisina na hipertrofia e emagrecimento: devo fazer uso?

Muitos estudos estão em andamento devido ao grande potencial da substância em diversas situações. Sabe-se que a biodisponibilidade da crisina, assim como demais flavonoides, é baixa e por isso as indicações de uso e dosagem são pouco conclusivas.

Assim como qualquer substância anabolizante, quando associada a um treinamento e alimentação adequados, a hipertrofia e redução de gordura serão favorecidas. Além disso, a manutenção do estrogênio a níveis considerados normais irá evitar o acúmulo da gordura localizada.

A indicação e dosagem deverão ser prescritas por um profissional habilitado, uma vez que, por ser um fitoterápico e estar envolvida em mecanismos hormonais, podem existir contraindicações.

A utilização irá considerar fatores como idade, sexo e composição corporal.

Abaixo você pode conferir outras situações nas quais a substância pode ser utilizada!

Utilização no câncer de mama e endometriose

Como mencionado anteriormente, a utilização inicial deu-se pelo efeito da crisina no combate ao câncer de mama. Tanto o câncer, como a endometriose (desordem ginecológica na qual o endométrio é afetado) são doenças estrógeno-dependentes, ou seja, resultam da ação do estrogênio no organismo.

Em ambas as doenças, a utilização da crisina apresentou um efeito protetor justamente pela atividade inibitória da enzima aromatase.

Crisina: indicações

  • Ansiedade: estudos recentes relatam a eficácia da substância em situações de estresse e depressão;
  • Controle da retirada da morfina estudos indicam ação de reversão da tolerância e dependência de substâncias psicotrópicas, não somente a morfina, mas também nicotina, álcool, Diazepam e tetraidrocanabinol;
  • Quimioprotetor em doenças cardiovasculares e câncer;
  • Antioxidante;
  • Fitoestrogênico;
  • Efeito protetor para terapia de reposição hormonal (inibe a aromatase da androstenediona e testosterona em estrógenos);
  • Importante para a ação depressora no sistema nervoso central;
  • Proteção dos queratinócitos epidérmicos contra o dano induzido pela radiação UVA e UVB;
  • A crisina atua nos mecanismos responsáveis pela diferenciação e desenvolvimento dos melanócitos, inibindo eficazmente a melanogênese;
  • O uso tópico da crisina é capaz de prevenir a desidratação cutânea através do aumento da síntese de aquaporinas 3 (AQP3), proteínas da membrana celular que está envolvida no transporte celular de água e lipídios, cuja deficiência também está relacionada ao sobrepeso e obesidade;
  • Prevenção da ginecomastia e distúrbios hormonais que levam a alterações fisiológicas;
  • Combate a distúrbios hormonais provenientes do envelhecimento;
  • Aumento da libido em homens e mulheres devido ao aumento da testosterona;
  • Homens e mulheres na andropausa e menopausa, respectivamente, ou em processo de envelhecimento.

Crisina: contraindicações

  • Pacientes com câncer de próstata;
  • Durante a gravidez e o aleitamento;
  • Crianças e adolescentes menores de 18 anos;
  • Hipersensibilidade ao ativo.

Conclusão

Muitos grupos de pesquisa vêm trabalhando com as propriedades da crisina em diversos âmbitos. Independente do objetivo que se deseja alcançar, o consumo somente deverá ser feito quando recomendado por um profissional médico ou por um nutricionista.

Não se esqueça de compartilhar este post!

Artigos Relacionados


Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/new65820/public_html/oniquenutrition.com/blog/wp-content/themes/tema-geracao-fit/single.php on line 302

Não perca mais nenhum post!

Assine nosso blog e receba novos posts diretamente em seu e-mail.