Excesso de cálcio pode ser prejudicial para a saúde cardiovascular

Compartilhe esse artigo!
Por  Equipe Onique  |  Publicado em 12 de dezembro de 2017 | Atualizado em 03 de agosto de 2018

O excesso de cálcio pode provocar problemas fisiológicos assim como a sua deficiência. O cálcio é um importante componente estrutural dos ossos, além de desempenhar diversas outras funções essenciais no organismo. Este mineral é fundamental para os processos de coagulação sanguínea, controle de acidez do sangue, divisão celular, controle hormonal, sinalização intracelular, contração dos músculos esqueléticos, lisos e cardíacos, e também para função do sistema nervoso.

Alimentos como o tofu, leite, brócolis, sardinha, espinafre, gergelim, chia, soja, linhaça e grão de bico são ricas fontes de cálcio. Mas o uso de suplementos desse mineral tem aumentado nos últimos tempos devido à sua praticidade, sendo utilizados principalmente para prevenção de doenças como a osteoporose e para a manutenção dos dentes. Porém, se a suplementação não for acompanhada por um profissional da saúde, pode resultar em um excesso de cálcio no organismo.

Consequências do excesso de cálcio

Vários estudos têm associado o uso excessivo de suplementos de cálcio com o aumento do risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Os pesquisadores demonstraram que o excesso de cálcio no plasma pode se depositar no endotélio vascular, levando à calcificação das artérias com consequente desenvolvimento de problemas vasculares.

A calcificação das artérias é semelhante aos danos causados pelas placas de gordura na aterosclerose, o que faz diminuir o fluxo sanguíneo, podendo levar à ocorrência de um enfarte. Os estudos também associaram o excesso de cálcio com o aumento da pressão arterial e com a coagulação sanguínea elevada, o que também contribui para os riscos cardiovasculares.

Além disso, o excesso de cálcio no plasma também pode causar problemas renais, como as pedras nos rins, dificuldade de memorização, depressão, irritabilidade e fraqueza muscular.

Portanto, é necessário manter níveis adequados deste mineral no plasma, tomando-se maior cuidado com as doses suplementadas. Se possível, deve-se preferir a ingestão de cálcio através da alimentação, pois há menos risco de excessos, garantindo assim as ações fundamentais desse mineral no organismo e evitando as consequências do seu excesso.[vc_row css=”.vc_custom_1478024067242{margin-right: 5px !important;padding-top: 15px !important;padding-right: 20px !important;padding-bottom: 25px !important;padding-left: 20px !important;background-color: #f1f5f8 !important;border-radius: 4px !important;}”][vc_column width=”1/6″ css=”.vc_custom_1467746880870{margin-right: -30px !important;}”][vc_single_image image=”13707″ img_size=”full” alignment=”center” style=”vc_box_circle_2″][/vc_column][vc_column width=”5/6″][vc_column_text]Dalcia Klimaczewski[/vc_column_text][vc_column_text]24 anos, comunicóloga e graduanda em Nutrição pela Universidade Federal do Paraná. Adepta à nutrição comportamental, acredita que a saúde e o bem-estar são consequências do equilíbrio entre o corpo e a mente.

Não perca mais nenhum post!

Assine nosso blog e receba novos posts diretamente em seu e-mail.