Físico definido e psicológico perturbado: entenda como as dietas radicais estão afetando a mente das pessoas

Compartilhe esse artigo!
Por  Bruna Pinheiro  |  Nutricionista - CRN 35001 Publicado em 16 de janeiro de 2017 | Atualizado em 03 de agosto de 2018

Ter o físico definido é o sonho de 9 em cada 10 mulheres. Muitas delas, para chegar a esse objetivo, acabam pagando um alto preço: o psicológico perturbado. Entenda como isso acontece e previna-se.

Diariamente somos bombardeados por informações da mídia. Junto com as notícias que nos mantém atualizadas em nosso país e no mundo, chegam também anúncios que divulgam tanto uma grande promoção, quanto a “descoberta” de uma inovadora dieta, medicamento ou alimento que promete ser a “solução” definitiva para o físico definido.

Como se não bastasse a mídia tradicional, há também o padrão de beleza imposto pela mídia social, em especial pelas cyber-celebridades de corpos perfeitos, que vendem à suas seguidoras a falsa ideia de saúde e felicidade plena.

Em muitos desses casos, o que realmente existe por trás do físico perfeito e definido, é um psicológico extremamente perturbado. Isso acontece quando a pessoa, adepta da dieta restritiva, ao invés de enxergar a alimentação como uma coisa prazerosa, passa a enxerga-la como uma coisa ruim, um mal pela qual se sente “forçada” em prol de uma “perfeição” física, tornando-se refém da comida.

Por falar em perfeição, você já parou para se perguntar o que é um físico definido ou um corpo perfeito? Já se perguntou, como foi que surgiu esse padrão de beleza?

A resposta para as perguntas acima pode estar nas influências que recebemos a todo momento, sem nem mesmo perceber, cada vez que se olha um anúncio publicitário ou cada vez que se vê uma nova postagem de uma musa fitness em uma rede social.

Mídia vs. comportamento alimentar

mídia vs. comportamento alimentar

Atualmente, os meios de comunicação divulgam uma preocupação excessiva com o peso corporal, muitas vezes não relacionada a saúde e sim, associada apenas ao padrão estético considerado adequado e aceito pela sociedade.

O público mais atingido são as mulheres, frequentemente estimuladas a emagrecer independente da sua real necessidade. Estimulo esse, reforçado pela moda e estética que ressaltam modelos e celebridades com corpos enxutos como padrões de beleza.

Dificilmente encontramos na mídia, publicidades com pessoas famosas que tenham como objetivo alertar quanto à promoção da saúde, ou mesmo relacionar o emagrecimento à prevenção de doenças, como a obesidade, não é mesmo?

Frente a essa realidade inúmeras dietas, muitas sem comprovação científica, são diariamente publicadas e práticas de programas de exercício físico generalistas, sem qualquer observância aos critérios da Individualidade Biológica, são cada vez mais adotadas por pessoas que buscam, a qualquer preço, atingir o padrão de beleza imposto pelas mídias.

O exercício físico tem deixado de ser associado somente à saúde, ficando mais próximo da alternativa para alcançar uma forma física dentro do que se considera “bonito” e “aceito”.

O padrão de beleza exaltado como belo é divulgado nas revistas fazendo com que a maioria das mulheres se sinta acima do peso e deseje emagrecer e ter um físico definido a qualquer custo.

A busca incessante pelo físico definido e as dietas da “tortura”

A busca incessante pelo corpo perfeito e as dietas da "tortura"

De olho nessa tendência, dietas “milagrosas”, que prometem emagrecimento rápido, surgem com discursos sem qualquer comprovação científica, levando as pessoas a adotarem práticas alimentares de risco.

Entretanto, ao lançar mão dessas dietas, essas pessoas, muitas vezes, não conseguem alcançar o emagrecimento desejado. Logo, concluem não serem capazes de fazer qualquer tipo de mudança sustentável nos hábitos alimentares para emagrecimento e bem-estar. Logo, a busca pelo físico definido através deste tipo de dieta, altamente restritiva, torna o emagrecimento uma verdadeira tortura.

Ao se sentir insatisfeita com o próprio corpo, pense que essa insatisfação nada mais é do que o resultado de uma oposição entre a forma como você se enxerga (que nem sempre é a mesma forma como você é vista pelos demais), e o padrão de beleza considerado ideal por você.

Lembre-se, esse padrão não necessariamente foi escolhido por você, mas sim imposto e transmitido pelas mídias. Será que existe apenas um ideal de beleza? É realmente adequado discriminar todos que não estão de acordo com ele?

Os produtos tido como “milagrosos” para o corpo definido

os produtos tido como "milagrosos" para o corpo definido

No meio de tantos novos produtos que chegam diariamente às prateleiras de mercados e lojas de produtos naturais, será que algum deles é realmente a solução definitiva para perda de medidas?

Chá verde, óleo de coco, óleo de cártamo, farinha de berinjela, farinha de feijão branco, ração humana, shakes e muitos outros produtos, já foram considerados pela mídia como “solução milagrosa” para o físico definido.

Mas, o que podemos perceber é que esses produtos ficam algum tempo em evidência na mídia mas, aos poucos, deixam de ser tão comentados, afinal sozinhos não fazem o efeito esperado.

Será que esses produtos realmente funcionam? Em parte, sim, há pessoas que atingem seus objetivos utilizando um mais desses produtos, mas sempre associados a dieta saudável e a reeducação alimentar.

Nesse caso, não se pode afirmar que o emagrecimento se deu apenas devido ao uso de um ou mais produtos em evidência nas mídias, afinal, certamente ocorreram outras mudanças na alimentação para que o objetivo fosse alcançado.

A verdade é que para atingir o físico definido é preciso gastar mais calorias do que se consome através de uma alimentação equilibrada e uma rotina adequada de exercícios.

O padrão de beleza imposto pelas mídias e seu poder de fazer reféns da comida e da balança

o padrão de beleza e seu poder de fazer reféns da comida e da balança

Treinos, dietas, e produtos que prometem um físico definido, passaram, nos últimos tempos, a fazer parte de diversos canais de mídia.

Os vários meios de comunicação como programas televisivos, programas de rádios, jornais, revistas e, principalmente, as mídias sociais, difundem, diariamente, diferentes informações superestimando determinados alimentos ou suplementos utilizados por celebridades ou cyber-celebridades, como se estes fossem os grandes responsáveis pelo físico definido delas.

Assim, a fixação de padrões corporais, através de dietas restritivas, acaba se instaurando no cotidiano das pessoas, sem ao menos que elas possam perceber.

Assim, as mídias conseguem, por meio da fixação da imagem, determinar e propagar padrões corporais que acabam sendo, literalmente, incorporados como “sonho de consumo” das pessoas.

Influenciadoras digitais: quando a influência torna-se uma busca a qualquer custo

Influenciadoras digitais: quando a influência torna-se uma busca a qualquer custo

Em busca do padrão de beleza imposto pela mídia ou por influenciadoras digitais, pessoas recorrem a meios ainda mais perigosos para alcançar o corpo dos sonhos através, por exemplo, da utilização de esteroides anabólicos.

Quem é da área de saúde sabe, infelizmente, é cada vez maior o número de mulheres que recorrem aos esteroides em busca de um físico igual, por exemplo, ao de uma musa fitness do Instagram. Essa prática além de, obviamente, colocar em risco a saúde física, coloca em risco também a saúde mental.

Pessoas que recorrem aos anabolizantes, estritamente para fins estéticos, geralmente, estão em um nível de exigência muito alto muito alto consigo mesmas. O padrão de beleza passa a ser mais que uma obrigação e a pessoa torna-se cada vez mais propensa a distúrbios psicológicos.

Distúrbios psicológicos causados pela busca do físico definido

distúrbios psicológicos causados pela busca do físico definido

A maior parte das pessoas que sofrem de transtornos alimentares são mulheres adolescentes e jovens. Entre as principais causas pelas quais as mulheres dessa faixa etária são mais propensas a esses transtornos é a tendência de fazerem dietas rigorosas para obterem o corpo ideal.

Entre os distúrbios menos conhecidos está a vigorexia. Ao contrário da bulimia e anorexia, ela tem sua maior presença em homens, apesar do crescente número de mulheres com esse tipo de distúrbio. Um dos fatores pelo qual esse distúrbio ainda não é tão conhecido, é não ser catalogado como doença.

As características principais deste distúrbio são: a vergonha do seu próprio corpo e a utilização de anabolizantes. Mulheres que desenvolvem a vigorexia, mesmo com um físico escultural, cheio de curvas e definido se veem magras e fracas, desenvolvendo um sério distúrbio psicológico que afeta e compromete seriamente a saúde.

Conclusão

Obter um físico definido é prioridade para milhões de pessoas ao redor do mundo que querem ficar dentro dos padrões de beleza estabelecidos pela mídia.

Praticar exercícios físicos regularmente é uma medida saudável, mas ir para a academia doente, machucada ou exausta não é um ato saudável.

Emagrecer rapidamente com uma “dieta da moda” pode te ajudar a chegar mais próximo do peso desejado, mas também aumenta os riscos de exageros e culpa. Da mesma maneira que e ingerir suplementos de forma compulsiva, visando ganho de massa, sem um devido plano alimentar elaborado por um Nutricionista, não é a solução.

Criar o seu “caminho do meio”, ou ainda, os seus “limites cuidadosos” é aprender a se permitir comer um doce de vez em quando, curtindo o prazer de saboreá-lo, sem se culpar é, com certeza, o melhor caminho para a mente sã, corpo são.

Bruna Pinheiro

Nutricionista

Nutricionista, especialista em Obesidade, Emagrecimento e Qualidade de Vida pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e Coach Nutricional. Possui experiência em educação nutricional e atendimento nutricional com foco em emagrecimento.

Artigos Relacionados

Não perca mais nenhum post!

Assine nosso blog e receba novos posts diretamente em seu e-mail.