Como as frutas cítricas podem interferir no metabolismo lipídico

Compartilhe esse artigo!
Por  Dalcia Klimaczewski  |  Nutricionista - CRN 8 12426 Publicado em 30 de janeiro de 2018 | Atualizado em 03 de agosto de 2018

O metabolismo lipídico ocorre principalmente no fígado, onde as gorduras são oxidadas à moléculas menores, os ácidos graxos, e também onde estes são sintetizados. No fígado também há a produção de colesterol, triglicerídeos e lipoproteínas, sendo estas últimas as responsáveis pelo transporte das gorduras pela corrente sanguínea.

Qualquer desequilíbrio na saúde hepática e, consequentemente, nas quantidades totais de triglicerídeos, colesterol, lipoproteínas e ácidos graxos pode levar à ocorrência de diversas doenças, como a esteatose hepática não alcoólica, aterosclerose, dislipidemias e síndrome metabólica.

Dessa forma, as frutas cítricas podem ser utilizadas para prevenir tais doenças, pois elas interferem positivamente na saúde hepática, contribuindo indiretamente para a manutenção adequada do metabolismo lipídico.

Flavonoides presentes nas frutas cítricas contribuem com o metabolismo lipídico

Estudos recentes demonstraram que alguns flavonoides, como a naringina, neohespiridina e narirutina, presentes nas frutas cítricas, são responsáveis por reduzir a produção de citocinas, as quais aumentam o risco de desenvolvimento de doenças inflamatórias, como a esteatose hepática não alcoólica, que prejudica o metabolismo lipídico.

No caso da fibrose hepática, outros estudos mostraram que os flavonoides das frutas cítricas eram capazes de promover a supressão significativa de genes associados às citocinas inflamatórias no tecido hepático, além de induzir regeneração celular e redução de depósito de fibronectina, melhorando a função hepática e, indiretamente, o metabolismo lipídico.

Um outro estudo envolvendo indivíduos com dislipidemia demonstrou que o consumo de frutas cítricas pelo período de 12 semanas foi capaz de reduzir consideravelmente as quantidades totais de colesterol e triglicerídeos no plasma. Neste caso, o consumo de flavonoides teve resultados mais positivos do que a terapia medicamentosa.

Portanto, as frutas cítricas contribuem para a promoção da saúde hepática, interferindo indiretamente no metabolismo lipídico. Os flavonoides presentes nelas reduzem a produção de citocinas inflamatórias e contribuem para o equilíbrio das quantidades totais de gorduras no organismo. Então, incluí-las na dieta trará benefícios para o fígado e ajudará na prevenção de diversas doenças decorrentes do desequilíbrio lipídico, principalmente as cardiovasculares.[vc_row css=”.vc_custom_1478024067242{margin-right: 5px !important;padding-top: 15px !important;padding-right: 20px !important;padding-bottom: 25px !important;padding-left: 20px !important;background-color: #f1f5f8 !important;border-radius: 4px !important;}”][vc_column width=”1/6″ css=”.vc_custom_1467746880870{margin-right: -30px !important;}”][vc_single_image image=”13707″ img_size=”full” alignment=”center” style=”vc_box_circle_2″][/vc_column][vc_column width=”5/6″][vc_column_text]Dalcia Klimaczewski[/vc_column_text][vc_column_text]24 anos, comunicóloga e graduanda em Nutrição pela Universidade Federal do Paraná. Adepta à nutrição comportamental, acredita que a saúde e o bem-estar são consequências do equilíbrio entre o corpo e a mente.

Dalcia Klimaczewski

Nutricionista

Formada em Nutrição pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e pós-graduanda em Comportamento e Transtornos Alimentares pelo Instituto de Pesquisa do Comportamento Alimentar (IPCAC).

Não perca mais nenhum post!

Assine nosso blog e receba novos posts diretamente em seu e-mail.