Como o Whey Protein ajuda a prevenir perda muscular em idosos

Compartilhe esse artigo!
Por  Aline Marques  |  Nutricionista - CRN3 - 46439 Publicado em 21 de maio de 2019 | Atualizado em 30 de maio de 2019

Perda muscular em idosos: entenda como a suplementação com Whey Protein ajuda a prevenir este problema tão corriqueiro em pessoas da terceira idade.

A partir do século XX a população se deparou com grandes avanços em vários âmbitos. Um dos triunfos mais significativos foi o aumento da expectativa média de vida populacional.

Em países mais desenvolvidos, os idosos constituem o grupo etário com maiores perspectivas de crescimento e assim, muitos estudos se voltam para o aumento da qualidade de vida desse grupo específico.

Dentre os problemas mais comuns que afetam a saúde e bem-estar dos idosos, têm-se a sarcopenia, que é um processo natural do envelhecimento no qual têm-se redução da massa muscular esquelética, associada a redução da força muscular ou desempenho físico. 

Causas da perda muscular em idosos

A perda muscular em idosos é de origem primária quando está associada única e exclusivamente ao processo de envelhecimento. É de origem secundária quando está relacionada a outros fatores desencadeantes: inatividade física com situações de repouso prolongado, estilo de vida sedentário, descondicionamento ou condições de gravidade zero. 

A nutrição também é um importante fator que condiciona a perda muscular em idosos. Situações de ingestão inadequada de energia e proteína, desordens gastrointestinais (má-absorção) ou medicações que promovem a anorexia são favoráveis à essa perda muscular. 

O principal mecanismo que caracteriza essa perda de massa, força e desempenho é o chamado estresse oxidativo, desencadeado por fatores endógenos e exógenos, resultando na redução da síntese proteica, aumento da degradação proteica, alteração da integridade neuromuscular e conteúdo de gordura no músculo.

Consequências da perda muscular em idosos

consequências da perda muscular em idosos

A perda de massa muscular costuma demorar para ser percebida. Em pessoas saudáveis a diminuição da massa magra geralmente tem início após os 30 anos de idade, com perdas em torno de 1 a 2% ao ano. Se não houverem medidas preventivas, idosos que chegam aos 80 anos podem ter somente 50% de sua massa muscular. 

Como a perda muscular dos idosos muitas vezes não está ligada somente ao processo de envelhecimento, mas também à condições patológicas, o processo de perda ocorre de maneira acelerada e mais grave do que seria apenas pela condição natural.

Alguns primeiros sinais da perda muscular em idosos são perceptíveis em situações de dificuldade de realização de atividades físicas diárias que anteriormente eram realizadas com facilidade, como por exemplo subir escadas, trocar lâmpada, carregar compras.

A perda muscular em idosos também afetará o equilíbrio, aumentando o número de quedas. Quando estas se tornam constantes, podemos dizer que o estado de sarcopenia já está avançado. 

A perda muscular nos idosos interfere de maneira direta na qualidade de vida e o aumento das quedas aumenta, consequentemente, o risco de lesões e fraturas. Além da perda muscular, um dos processos comuns no envelhecimento é a perda de massa óssea, fator inicial desencadeante para a osteoporose. Essas duas condições aumentam a gravidade das quedas e fraturas. 

Como prevenir a perda muscular em idosos

Sendo a perda muscular uma condição normal do envelhecimento, o ideal é que, ainda na juventude, adote-se medidas preventivas e de fortalecimento dos músculos para que o processo não leve à uma incapacidade. 

Mas, como tratar e prevenir a perda muscular nos idosos atuais? 

É cientificamente comprovado que para adquirir, fortalecer e manter a massa magra, não existe outra maneira que não seja a associação entre atividade física e uma nutrição adequada. Com a população idosa, não existe fórmula mágica e segue-se a mesma receita.

A inatividade física é fator crucial no que diz respeito à síntese e degradação de proteínas no corpo. Praticar exercícios físicos, além dos inúmeros benefícios, ameniza os efeitos de degradação proteica da inatividade e a consequente sarcopenia. 

Dentre os tipos de exercício físico, é comprovado que o treino de força é o que mais promove um efeito significativo sobre o aumento da massa e da força muscular. O treinamento de força de forma progressiva, ou seja, a realização de exercícios com o aumento progressivo da resistência, é o mais comumente utilizado com a população idosa e está associado a aumento da massa muscular, da função física e da massa magra corporal. 

A nutrição também entra como importante fator. Pessoas idosas tendem a responder ao anabolismo de maneira inferior quando comparado à resposta de pessoas mais jovens. Quando adequada, a alimentação auxilia no ganho de massa e também é capaz de minimizar as chances de lesões induzidas pela carga do treinamento. 

A nutrição na perda de peso em idosos

a nutrição na perda de peso em idosos

Assim como para o restante da população, sejam praticantes de atividade física ou não, uma alimentação balanceada, adequada em carboidratos, proteínas e lipídios irá promover a manutenção da massa corporal. 

A recomendação para idosos sem restrição alimentar é que a ingestão de proteína seja de 1,2g por quilo de peso corporal ao dia. Essa recomendação associada ao exercício físico ajuda no ganho ou na manutenção da massa muscular.

Para idosos em condições de internação, recomenda-se, além da prática ativa de exercícios de fisioterapia, a manutenção de uma dieta com alto valor proteico, entre 1,2g a 2g por quilo de peso corporal, salvo restrições. Condições de internação levam à um elevado catabolismo, por isso, a dieta deve fornecer todo o suporte para manter a massa corporal. 

Suplementos alimentares 

Um dos problemas em ter-se uma alimentação rica em proteínas, principalmente para a população idosa, trata-se da digestão e absorção das mesmas pelo organismo.

Na terceira idade também é uma tendência que se reduza a ingestão de alimentos de origem animal, fontes de proteína, devido à uma diminuição normal do apetite e dificuldades na mastigação. A utilização de um suplemento nutricional à base de proteínas é vista, num primeiro momento, como um suporte para a regulação da ingestão.

No entanto, a utilização mais comum destes suplementos objetiva o ganho ou manutenção da massa e força muscular. Assim, alguns estudos começaram a avaliar a influência da associação da atividade física mais o uso de suplementos de soro de leite na prevenção da perda muscular em idosos.

Whey Protein

whey protein

Whey Protein é a proteína solúvel do soro do leite. Nas últimas décadas muitas pesquisas vêm demonstrando as qualidades nutricionais e benefícios do consumo das mesmas. Durante o processo de fabricação do queijo têm-se uma porção aquosa de leite de onde essas proteínas começaram a ser extraídas.

Muitas evidências sugerem de que as proteínas do leite, inclusive as do soro, além de apresentarem alto valor biológico, possuem peptídeos bioativos que atuam como agentes antimicrobianos, anti-hipertensivos, reguladores da função imune e também como fatores de crescimento.

Dado a esses benefícios, atletas, praticantes de atividades físicas, pessoas fisicamente ativas e pessoas portadoras de doenças buscam benefícios do consumo dessas proteínas. 

Alguns estudos demonstram que a absorção das proteínas do soro do leite ocorre de maneira mais rápida quando comparada a outros tipos de proteínas.

Essa rápida absorção faz com que as concentrações de muitos aminoácidos atinjam altos valores imediatamente após a ingestão.

Sendo assim, considerando uma ingestão após uma sessão de treinamento, essas proteínas do soro podem apresentar maior eficiência no desencadeamento do processo de síntese de proteínas. 

A ingestão dessas soluções de proteínas do soro, além de aumentar os níveis de aminoácidos, também aumentam a concentração de insulina no plasma. Essa insulina favorece a captação dos aminoácidos para dentro das células musculares, o que vai otimizar ainda mais a síntese e reduzir a perda muscular. 

Whey Protein na prevenção da perda muscular em idosos

Um recente estudo avaliou os efeitos do consumo de Whey Protein associada ao exercício físico na perda muscular em mulheres idosas.

As 81 participantes, saudáveis, de idade entre 65 e 80 anos, foram divididas em 3 grupos: o primeiro grupo realizou exercícios físicos e utilizou a suplementação com o whey protein após a atividade.

O segundo grupo apenas realizou os exercícios e o terceiro grupo recebeu apenas a dose do suplemento, sem praticar nenhum tipo de treinamento.  

Após 24 semanas de intervenção, com realização dos treinos em duas vezes por semana e doses de whey adequadas ao peso das participantes observou-se um aumento de massa significativo no grupo submetido à suplementação associada à atividade física quando comparado aos demais.

Além deste resultado, o grupo também apresentou melhora no aumento da força e na velocidade da marcha. Sendo assim, o estudo conclui que a utilização da Whey Protein após exercício de resistência é capaz de prevenir a perda muscular em idosos

Segundo evidências, o efeito da suplementação de 20 a 25 gramas de proteína do soro do leite ou a ingestão total de 1,2g de proteína por quilo de peso ao dia são positivos para a síntese e prevenção da perda de massa em idosos. 

O consumo de proteínas

Como já mencionado, o indivíduo idoso tende a reduzir a ingestão de proteínas diárias, seja pela diminuição do apetite (e vale lembrar que as proteínas promovem alta saciedade) ou também por alguma dificuldade mecânica e/ou muscular da mastigação. Mesmo que tente seguir uma alimentação balanceada, é muito difícil que a ingestão de proteínas atinja o nível adequado para suprir uma síntese muscular.

Apesar da utilização de suplementos alimentares ainda ser um tabu para a população, especialmente a de mais idade,devemos nos atentar ao fato de que, dentro de um contexto adequado, a utilização dos mesmos pode ser de extrema importância para o conforto e bem-estar de determinada faixa populacional, por exemplo, evitando ou inibindo a perda muscular em idosos

Outros benefícios do Whey Protein para os idosos

outros benefícios do whey protein para os idosos

Além do benefício mais procurado que é o aumento da massa magra, a utilização de um suplemento à base de soro do leite também é capaz de auxiliar na redução da gordura corporal. 

O whey protein apresenta uma significativa quantidade de cálcio em sua composição. Além de ser um importante nutriente para a manutenção da massa óssea, o cálcio inibe a ação de hormônios calcitrópicos, reduzindo a deposição de gordura nas células.

Como na velhice o metabolismo está desacelerado e o emagrecimento e perda de gordura são mais difíceis de acontecer, a utilização de um suplemento com boas quantidades deste nutriente, associada à prática de alguma atividade, promoverá uma maior redução da gordura corporal e fortalecimento ósseo. 

Alguns estudos recentes também têm sugerido uma eficácia da utilização de Whey Protein na prevenção do diabetes, equilíbrio do nível de açúcar e que pode trazer benefícios cardiovasculares, reduzindo a pressão arterial, os níveis de colesterol e tornando os vasos sanguíneos mais saudáveis.

Conclusão

Devido ao aumento da expectativa de vida, espera-se que cada vez mais surjam estudos que procurem meios de aumentar a saúde e bem-estar da população na terceira idade e a utilização de componentes alimentares na prevenção da perda muscular em idosos tem se mostrado eficaz nos estudos realizados.

Como toda a recomendação com algum exercício físico e consumo de algum produto alimentar, é importante que exista o acompanhamento de um profissional capacitado.

A prática incorretade determinada atividade física pode ocasionar lesões e demais complicações ao indivíduo e a ingestão inadequada, de um suplemento pode não trazer os benefícios desejados.

E para aqueles que ainda não atingiram a terceira idade, a prática regular de exercícios físicos associada a uma alimentação adequada ainda se constituem na chave principal para um envelhecimento saudável. 

Aline Marques

Nutricionista

Graduada em Nutrição pela UNICAMP e pós-graduanda em Nutrição Materno infantil. Possui experiência em palestras para escolares com foco em educação nutricional, elaboração de projetos e cardápios para escolas e atendimentos clínicos personalizados. Praticante de ballet clássico acredita que a alimentação balanceada aliada à atividade física promovem saúde e bem-estar.

Não perca mais nenhum post!

Assine nosso blog e receba novos posts diretamente em seu e-mail.